domingo, 16 de outubro de 2011

Dois


















Um faz contos da vida dos outros.
O outro faz versos de sua própria.
Um dá voz aos demais.
O outro a si mesmo.
Um tem sangue nordestino.
O outro origem europeia.
Um tem os pais baianos.
O outro de Angola e Portugal.
Um persiste.
O outro insiste.
Um prefere a multidão.
O outro carece do silêncio.
Um revoga.
O outro processa.
Um arrota bordões.
O outro se entope de eufemismos.
Um é prático.
O outro é teórico.
Um parece Marx.
O outro, Hegel.
Um democrático.
O outro é egocêntrico.
Um gosta da ciência.
O outro das artes.
Um Vagner.
O outro é Henrique.

2 comentários:

ELIZABETH DE LIMA VENÂNCIO disse...

Boa tarde vagner, somos assim todos diferentes, mas nem por isso menos amigos. só um amigo conhece tão bem as preferencias do outro.

Parabéns

Regina Magnabosco disse...

Bonito poema e interessante ver que às vezes uma mesma pessoa pode ser tudo isso. Seu blog está bem bonito (já era, está mais)... hoje entrei aqui para fazer um convite pra você, que está lá no meu Ruas e papéis, lembra-se? Dê uma olhadinha e veja se topa participar. Um abraço.